Seguidores

2011/04/07

Abraça O Berço

      "Abraça  Berço





Correntes de amor
Não me avassalam
Senão der em êxtase
Das coisas que não calam.


Seus beijos minha flor
Enganaram-me, séculos à frente
Quero acordar sem entorpecente
Nem suar lágrimas, pra poder amar


Menina abre a boca
Silencie o mundo e a roupa
Que veste a insanidade dos vãos


Quisera eu poder abraçar-te
Quando o mar se abrir
Pra eles poderem se afogar
Nas suas fábricas de mágoas.


Despe-me o ser menina latina
Finge encontrar o desejo
Em tudo que tu mesmo ensina


Lança seus cortejos ao mar
Quando o seu velho passar
Em cartolas e listras más


Daqui teu amor
Deixa-me banhar-te de índio
Pra quando acordar, seus ouros
Estarem em seu moreno pescoço


Talvez eu ouça a tudo que vem
Sempre amarei o lado falso que em si
Finge tanto me amar.


Banhando-me em seus berços gentis
Acordar leve, suspenso, atento e nunca mais
Com dias frios e febris...



Das serpentes daqueles desertos!




Czar D’alma   –   Escritor e Poeta.




Postar um comentário