Seguidores

2011/05/19

O mEDo

            "O Medo"   



           

Com quantos fins, tu fizeste o bem...
E da dor do outro o dom de ser-te teu refém
Dos dons de mentir, tu és o maestro
 E das tendas dos homens, o desonesto.


Com quantas canções tu fizeste a nação
E da alegria das crianças os castos tormentas
De febre a reumatismo, tu tens as fendas...
Quando o sol cuspir tu nem iras dormir!


Com quantas partes tu elevaste o seu dom
E na primeira vida, tu arrancarias a salvação
Dando os restos, vendendo mentiras
À procura de tua própria condenação!


Onde tu és o débil e o pueril...
Onde o ser não te idolatra não!
Mas tu sempre sais e acordas
No meio de um lado bom...


Vestindo ternos, comprando vidas...
Mas sempre à mercê do que é são.




Tu és o medo!





Czar D’alma 


Postar um comentário