Seguidores

2011/07/14

Amor e Licor

            "Amor e Licor"      



           




Deixei um legado fiel
Em forma de lágrimas
Pra que saiba o quanto
Desse amor bebemos do fel


Injúrias sem verdade, confissão sem debate
Pra cada marca no lençol, o beijo me cala a face
Deixei naquela tua face minha lágrima
E um monte de mentiras, por medo sem dádivas


Sim eu fui eu vi seu nome em tudo
Andei correndo de mim e amando-te em tom mudo...
De cada toque seu, meu corpo desenha o céu
Mas querendo tu a rua, calei-me por covardia em cordel


Ah quando eu somo as estrelas
São nesses astros que me confesso
Que da saudade tua, me recordo e me tomo
Mas quando eu olho o dia, se foi o verão e chega outono


Eu ando perdida das minhas roupas
Todas elas cobiçam teu corpo, sedução e amor
Quando eu olho os casais me pergunto
Como eu me dei ao luxo de vender o que não sou!


Descobrindo minhas noites
Desejando seus abraços
Colorindo as minhas vidraças
E da janela da alma foi-se a graça


Ah eu preciso de lhe amar até amanhecer
E quando o sol se por, de todo o erro se refazer
Querendo os nossos delicados e fortes gracejos
Onde eu sou a rua e o mar e você o meu porto e lampejo


Mas quando amanhecer e se você ainda se for...
Eu sou a Maresia em alto mar, eu sou o amor
Brincando seqüelas de sonhos,
Domando os medos
Entregue aos desejos
Mas sempre aquela que jamais


Espera viver sem seu corpo
Esse seu e meu, 


Licor.





Czar D’alma 


Postar um comentário