Seguidores

2011/09/10

S o l e A m o r

           "Sol e Amor"     




                    




É quando o sol se abre
Que me mostro só sua
Cantando os mistérios que
Só meu corpo sabe na tua.


É quando o tempo mostra seu rosto
Em minhas lembranças que, brado como criança
Mentindo o medo da luta de viver sem esperança
Quando os homens são adultos em meio às suas cirandas


Eu ainda sou uma criança
Das tardes que, te abraço
É seu respirar no peito
Que me faz feliz e agiganta.


Quando o sol voltar, eu estarei longe
Mas sempre contigo no seio aberto
Das noites bem dormidas em seu berço
Eu ainda nem sou o seu convexo.


Não diga que aquela noite não foi o bastante
Por que a minha alma canta na madrugada
Com voz rouca de paz e de minha solidão
Aonde os meus sonhos sempre vêm e vão


Por favor, de meu corpo escute essa canção
Quando a fala responde em beijo e silêncio
Mas o nosso amor...
Jamais terá refrão.


Senão dos dias em corpos e carne
Aquela coisa ardente que, não mente não
Cabala, receita de afeto e afeição
Um dia em seus braços e uma eternidade de aflição.


Quando o sol se põe e o amor





Não!






Czar D’alma



 
Postar um comentário