Seguidores

2011/12/20

Frio D'alma

       "Frio d'alma"      





                       





Se o frio na alma está
O limo do sentir aflora.
Sentidos e coisas jogadas fora
Onde sim o tempo não roga.


Quando da alma o frio clama
A chama de tudo que é vazio
O espetáculo da vida perde sentido
Espelha das trilhas da liberdade o perigo.


Se o frio da alma é refém
O meu amor é seu
E de mais ninguém...


Quando amanheceres
E eu não mais ao lado
Deixo a sentença para enfim
Aquilo que nunca é pecado.


Lágrimas frias, sorrisos largos.
Quando da alma o frio brota
Mas não nasce estender as mãos
Do corpo que estivera ao lado.


Pois a alma sente frio
Mas não sente saudade
Daquilo que não é senão
Saudade, amor e pecado.


Onde os risos mínguam
E jamais ninguém disso um dia
Tem 



recuado.

  


 
Czar D’alma



Postar um comentário