Seguidores

2013/03/14

“Oração de poeta” – Czar D’alma.


“Oração de poeta” – Czar D’alma.




“Oração de poeta” – Czar D’alma.


Obrigado, Senhor...

Por nascer e morrer todos os dias pela saudade augusta que me expecta

Trago em mim as dores e marcas da cruz de minha existência, poeta que sou resisto até

A própria essência. Não trago vinganças, nem mágoas pois poeta que sou, trago em mim só o 

amor... Amor esse que me leva e devolve-me às mais diversas formas de minha pueril coerência. 

Sou o amor dos que amam e deixam-se amados, como daqueles que perderam seus amores, entes 

queridos e outras mais... 




Sim, sou poeta e amo e não amo, até deixar de ser amor o amor que 

jamais existiu, senão em minhas penas e tintas. Sou poeta pra trazer comigo o mar, o sol e o 

casamento deles no eclipse de meu ser. Poeta que sou, adorno e adormeço sempre com a saudade 

de quem em mim, nasceu ou morreu. Ser poeta é trazer tudo a existência, mesmo o parto 

corrompido ou o filho que não mais está. 





Sou poeta pra dormir comigo e nos que me lêem a 

essência da vida e do que a vida levou e ou, deixou de permitir.

Sim, os poetas não são de gaiola, amam até o fim o fim que os come, mas não os devora... fico todo 

o dia e noite eterna, na boca do criador ruminando o que vivi ou sequer sei quem sou. O poeta, 

não morre e tão pouco esta vivo,  senão nas letras e nos olhos dos que o permitem viver. Poeta é ser 

e deixar-ser o que o outro ainda nem acreditou. Sou poeta pra trazer comigo os amigos distantes, 

os inimigos vencidos e acordar às madrugas de lágrimas dos livrou que em si já terminou. Sim, 

poeta, poeta e poeta são aqueles que dormem sós, mas acordam com a pessoa que ama ou nunca 

amou. Agradeço sempre por ser poeta e deixar descansar em minha alma  a poesia que só se vive 

quem amou. 




Poeta ama seus leitores e tem compaixão de quem nunca leu a poesia que jamais 

acabou. Agora poeta não sou, pois descanso comigo a força da palavra enquanto declaro a Deus a 

benfazeja lembrança de que poeta sou. Poetas são como o vento nascem de onde ninguém jamais 

ejaculou... Poeta que palavra  difícil e tênue pra quem não sabe da poesia a força que o dominou. 

O poeta chora sempre, mas vive sorrindo o luto de tudo que passou, pois, poetas são de alma e se 

não têm alma, apenas habitam a alma de quem ainda virá, pois as palavras que foram não tenho 

mais comigo, apenas comigo está a saudade do que é o amor. 




Amar poetizando e poetizar o amor é 

tudo pra mim, por ser poeta de quem jamais me amou. Poeta não traz armas, nem foices, mas tem 

na língua a força que domina um exército se ao menos ouvir o seu imperador. Ah, a poesia que me 

dormita faz-me lembrar e esquecer toda a minha dor... Obrigado a Deus ou a poesia divina que é, 

por que só um poeta, pode criar algo do nada, assim como faz o Criador! Poeta que entranha na 

alma pessoas, coisas, seres animados e inanimados pra alguma alma saborear a saudade que um 

dia a matou. Então agradeço de fato, por ser poeta um dia, onde todas as horas são de pura 

fantasia, não sei se real ou ilusão, mas trago comigo a poesia que arremessa-me pra tantas vidas 

que já não sei escrevo ou psicografo a vida que um dia sequer de vida se tornou. Agradeço a quem 

lê e compaixono-me de quem das palavras de um poeta, nessa vida jamais gozou.




 Obrigado Ó Senhor pela poesia que és e a graça que faz de mim um poeta pra adormecer na alma a força do 

amor, o luto que passou e ou, mesmo aquelas lembranças distantes de poeta... Onde só habitam os 

que pela poesia um dia com toda alma amou.




Obrigado pela poesia de cada dia, que é pão e farinha, mas só pode ser trigo quando está na boca 

do leitor.





Obrigado!






“Oração de poeta” – Czar D’alma.  



Postar um comentário