Seguidores

2015/12/01

“becos entre portas” – Czar D’alma.

“becos entre portas” – Czar D’alma.






“becos entre portas” – Czar D’alma.



Quando a euforia era uma porta aberta
E eu me embriagava dos meus sonhos
Por não poder tocar em ti
Eu era assim, quase feliz.




Quando o silêncio me calava o desejo
Por desejar me calar. Logo, me vejo.

Meus delírios tinham rosto e voz...
Quase todos composto de teu corpo.




Não é por me calar que abro a porta
Mas, pelo desejo de te abraçar de volta.




Em meio a quase tudo, há sempre desejo.
Quando não estou pensando em ti, refreio.

 Então, abro uma janela na esperança de sorrir...
Essa cachaça chamada cobiça me fascina
Quando em quando eu penso ti.




Não tenho escritos delirantes, tenho você.
A coisa que me cala, o rosto que me veste a prece e a peste.

Ao acordar de cada fantasia, nessa realidade carnaval.
Onde eu sou o que não desejo, mas, a minha máscara.
Em rumo ao meu próprio 




final.






“becos entre portas” – Czar D’alma



Postar um comentário