Seguidores

2013/01/05

Da eterna saudade

"Da eterna saudade"  -  Czar D'alma  


 
 
 
“Da eterna saudade” – Czar D’alma.
A saudade me abraçou...
Tenho saudades de dias em que a porta de minha existência se abria
Eu acolhi no seio a doce maresia do beijo de um amor.
 
Ah, sim a saudade anda comigo aos dias de abrigo,
Quando rodeando por meus caminhos, fujo de mim.
E ando solicitando a presença de algum amigo,
Fugitivo do grito e esplêndido ouvinte do confessor que guardo comigo.
 
Sim, a saudade fala em noites claras, aborda o meu silêncio...
E quebra dos meus delírios aquilo oque os homens chamam – sentido.
Em dias quando escuto os momentos que guardamos e os que encontramos
Trago a saudade de que a vida ao seu lado era todo o meu libertar de conflito.
 
Sei da saudade os seus discursos mais solenes,
De suas frases as mais dolorosas,
Mas sei que, a saudade nunca me prometeu coisa alguma,
Senão a arte de entender do outro o erro, o medo e o que, percebe como perigo.
 
Ah, essa saudade que me arrasa em madrugadas inteiras...
Quando aos braços desse encontro, recaio às minhas maiores mazelas.
Não, não me diga pra esquecer a saudade, por que, nela habito,
Por que, onde os homens mentem, Deus deixa lá a esperança, o amor, a oração e o grito.
 
A saudade me agita,
A saudade não me larga, a saudade é a coisa mais doce,
Quando não, não deixa de ser a espera mais amarga.
 
Deixa eu me abrir contigo e dizer por que seu nome é saudade.
Por que, em dia de solidão eu abro o peito deito lágrimas,
E correndo pro tempo que agora não é...
Derramo de mim a felicidade mais vasta.
 
Os meus amigos não entendem, meus familiares repelem,
Mas é quando a chama arde em meu peito, e o som das coisas aplaude.
São nessas horas que vislumbro da dor, o acolher e o despeito,
De onde a minha herança são despojos de minha casa inacabada.
 
Quando mandarem-me fugir da saudade, quem há de me abrigar.
Pois, se defendemos o sangue nas veias e o leite do egoísmo,
Por que o mar jamais fez um afogado, náufragos e tempestades...
Para aqueles que não largaram suas ilhas, teto, terra e barro.
 
Então, eu abro o braço e digo a saudade...
Tu me amas e me faz compêndios de felicidades
Onde o tempo é mentira, o vento é loucura,
Mas os gestos são eternizados no meu rim, peito e baço.
 
Por que do meu coração... Já não sei o que faço.
 
Czar D’alma     –     “Da eterna saudade”
 
 

2013/01/04

Porta e caminho - Mateus 7

"Porta e Caminho" - Mateus 7
 
 
 
 
"Porta e Caminho" - Mateus 7
 
 Mateus 7 : 13-14.
13 - “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
14 - E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem”.
Mateus 7:13-14.
 
 Olá! Paz e fé!  Quero continuar ao que iniciamos no primeiro texto, sobre “Não entendo o desamor!” Bem, antes de qualquer coisa quero enfatizar a beleza e a realidade do texto da Sagrada escritura sobre o estreito e apertado caminho. Isso é de uma prática e formidável compreensão para todos que almejam o caminho do sucesso. Note bem, eu disse – Caminho do Sucesso! Essa frase esta em péssimo uso nos dias atuais, frente ao que o Evangelho propõe. Dizer, sucesso segundo a Palavra de Deus, não é associado com a frenética busca em que as pessoas se submetem em “ter”, em comprar, adquirir e, nessa busca vai-se perdendo a própria alma. Um adendo... Não estou dizendo que, é ruim, diabólico e ou, maligno o fato de consumir. O problema em questão é o “consumismo”! Não é o fato de poder adquirir as coisas e sim, a simples queda de deixar as coisas nos possuírem e serem donas de nossas vontades e por assim dizer, nos escravizando. Voltando ao nosso sucesso... A Palavra de Deus nos dá a garantia do sucesso de, estarmos na presença de Deus e de sua bênção, pelo fato de sermos obedientes ao que a Bíblia manda! Não digo que é uma opção de escolha em obedecer, para sermos abençoados. Se você e eu escolhermos outro caminho... Um caminho de facilidades, de atalhos para chegarmos aos objetivos de nossas vidas. O Encontro com Deus e suas proporções de sucesso é isso – caminho de obediência, santidade e renúncia. Isso é o sucesso em Deus, em Cristo. Isso é o caminho estreito e apertado o caminho.  Ao passo que, entendemos isso, permita-me dizer sobre o fator do texto anterior de, “Não entendo o desamor”.  Quando formos consumidos pela graça em estar na direção de Deus e querer o caminho estreito... E no relacionamento onde há desamor, uma coisa me questão deve sempre ser – “Qual é a pré-disposição de ambas as partes para o respeito e renúncia para que, o relacionamento, seja de fato – SADIO?” Isso deve ser a nossa ótica quando a palavra de Deus nos ensina a refletir, como estão indo os nossos relacionamentos.  Quero aqui deixar uma observação simples, porém, não simplória – A observação dos princípios garante a bênção do sucesso em Deus! No que, Ele afirma sua disposição eterna aos fiéis no relacionamento e, isso quando alguém se arrepende de alguma fidelidade, Ele predispõe o recomeço da aliança para o sucesso esperado. Por que as escrituras afirmam que, “Ainda que sejamos infiéis, Ele é fiel, não pode negar a si mesmo!” Claro está que, as consequências do erro serão alcançadas pelo fato do erro, pois, Deus não nos garante fugir das consequências, mas, garante que, ainda que, sejamos infiéis, sua graça e misericórdia estarão nos rebuscando.
 
 

 
 
 
Houve uma parte de um casal, nesses dias que, me perguntou o porquê, de seu sofrimento uma vez que de sua parte, esta teria sido fiel? O que eu disse acima, responde o por quê! Que na verdade, se aplica mais, a um – “Para quê!” Onde Deus esta conosco ainda que... Bem, quando fizermos nossas escolhas atentemos se as partes, como acima afirmo, até quando estamos de fato e de verdade nos comprometendo com a participação da felicidade alheia e, entendemos que, “Ninguém fere a sua própria carne!”  Como o apóstolo Paulo nos afirma. Então, volto a afirmar, voltemos a perceber, entender e aplicar esse princípio de cumplicidade ao relacionamento. Pois, quando estamos envolvida com a caminhada estreita e apertada é por que, entendemos que, isso é de uma forma maravilhosa de aliança que, dispomos com alguém. Quando essa pessoa me questionou sobre a infidelidade da outra parte, o que entendo e digo é que – Quando nos afirmamos e queremos um relacionar com a outra parte, será que, colocamos de forma direta e comprometida o que de fato é uma, ALIANÇA? E aliança não é algo que, se quebra por qualquer motivo, pois é como se machucássemos a nossa carne. Afirmo isso, por que, quando as pessoas estão motivadas por suas emoções, dizem, participam e declaram coisas que, não se aplica a sua fidelidade de participar sim, da felicidade e do encontro de seu cônjuge ou, mesmo, candidato (a) para tal. O princípio não muda, por que, quando for uma só carne... Já haverá neles a mesma fidelidade. A boa notícia é que, se alguma parte é infiel, saibamos de uma coisa – “Deus tem o melhor para os fiéis, sempre!”  Conheço, acredito que, devamos sempre estender o perdão, a reconciliação”.  Se alguém errou, perdoe! Se voltar, receba. Isso se ainda houve possibilidades de recriar o espaço de onde viveram em um jardim de cumplicidade, verdade e encontro com sinceridade de alma e caráter. Não é justo perder tudo o que se vive por causa de um vacilo, de um erro e ou, coisa parecida. Seja como for, cada um saberá de si, o quanto estará predisposto para reconciliar-se. Mas saibamos de uma coisa, esse caminho também é estreito e apertado. Sempre será o que Deus requer de cada um de nós que, “Aquilo que quiseste que os homens vos façam, façais vós a eles!” Isso é o Evangelho com cruz, com perdão e reencontro e, receba o outro como Deus nos perdoou com braços abertos e sempre a simples forma de dizer – Eu acredito que, Deus muda, crie a  recria caráter! Se Ele nos alcançou, isso também fará ao próximo, ao cônjuge ao amor de nossa vida, pois o verdadeiro amor, lança fora todo o medo. Então, se escolher alguém, escolha segundo uma aliança firme em cumplicidade, afeto e responsabilidade frente ao que, Deus diz de cada uma das partes e o quanto a outra parte é importante, é uma vida, é uma alma a considerar e respeitar. Segundo, se alguém já no plano e no caminho errar, entenda que o perdão é o melhor caminho. Mas ainda creio eu, que abençoando Deus, estaremos falando mais e mais a cada dia aqui, no “caminhos do encontro”, onde eu aguardo você, sua participação e  comentário. Você pode me mandar por e-mail: poetaczar@gmail.com e falar comigo e responderei pela graça de Deus. Tudo bem? (risos) Eu sou o Julio Cezar, servo de Deus, conservo de meus irmãos em Cristo Jesus. Quanto a títulos não nos preocupemos com isso, pois, quero que de fato, A verdade e Cristo seja o centro. Muito Obrigado.
Sem mais,
 
 
 
 
Carpe diem.
Julio Cezar, vulgo, Czar D’alma.
Paz e fé!
 
 
 

2013/01/02

A I N D A

"AINDA"
 
 
 
 
 
“AINDA”
 
Deixa eu guardar a leveza de trazer você comigo,
Na perfeição das coisas nítidas... 
Onde eu construo da vida sorrisos prontos, carinhos e gracejos que, guardamos...
Onde o mundo foi todo um amor, onde ainda somos.
 
Sem o medo de abraçar o calor da entrega de cada manhã.
Por que seu braço era meu adorno, desejo e cobertor.
Eu ando meio falando pelas noites solitárias comigo
Por que ainda há em nós algum, do amor, vestígio.
 
Se as sirenes já não me perturbam,
Ainda há tempo pra eu poder lembrar
Quanto vale aquele sorriso
Quando a saudade nem podia entrar
 
Ainda tenho gracejos e relampejos de saudades
Quando ainda eu tinha sonhos e tu eras
O meu EU melhor e adormecido.
 
Hoje eu corro pelas vias do desconhecido
Não reconheço o meu abraço, não tenho sorriso...
Mas guardo a esperança que é a fortaleza
De qualquer herói ferido.
 
Sem barcos as tempestades não assustam
E da vida assim foge o perigo,
Mas prefiro a leveza de dizer - Ai,
Do que fingir que nada sinto, ainda...
 
Tu me roubas a poesia,
E eu lhe permito levar-me
Onde eu não perco a sanidade
Mas não sei onde encontro, sentido.
 
Ainda...
 
 
Czar D'alma  -  Ainda
 
 

“Não entendo a causa do desamor”.

“Não entendo a causa do desamor”.
 
 
 
 
 
“Não entendo a causa do desamor”.
 
 Hoje falando com uma pessoa sobre relacionamentos, algo alvo e bem perspicaz me atingiu.
  A questão em voga era: “por que algumas pessoas não se encontram afetivamente ou, apenas, em casos
 
desiguais e dificultosos?”  Bem, a questão não é tão.... Digamos que, simplória. Há casos que, pessoas
 
buscam seu par, em lugares nada apreciáveis, contrário a Palavra de Deus.
 
 
 
Czar D'alma, poeta
 

Esse texto completo você pode ler no blog,

http://caminhosdoencontro.blogspot.com/

 
 

2012/12/30

“Eu, Melhor de mim”.

    Eu, Melhor de mim”.    -    Czar D'alma
 
 
 
 
 Eu, Melhor de mim”. - Czar D’alma
 
Hoje eu vou abrir os braços, me amar
Entender a distância que a vida traz e
Agradecer a quem ao meu lado estar.
 
Eu ando cheirando o mar, deitando flores.
Para aqueles que respeitam o meu sofrer
E dizer pra vida não me amargar.
 
Se eu estou em Cristo, muito além que feliz cantar,
Mas, sonhar com os que andam sobre o mar,
E querendo você, eu posso te abraçar sem mal, sem culpar,
Pra isso nasci nele que, morreu pra eu poder sim, perdoar.
 
Eu ando chorando comigo, dançando só, sonhando com amores...
Mas, no fundo entendo que é de seu beijo doce que, trago louvores,
Quando estou só é de ti que me visto pra vencer
Essa dor que insiste em me naufragar.
 
Eu sou de carne, mas vivo pelo verbo de Deus,
Sim, não sou perfeito, mas o melhor de mim,
Continua sendo – EU!
 
 “Eu, Melhor de mim”. - Czar D’alma

“Último dia de felicidade” - Czar D’alma.

  
Último dia de felicidade       -       Czar D’alma
 
 
 
“Último dia de felicidade”  -  Czar D’alma.
 
No último dia de minha felicidade...
Eu colhi algumas flores, semeei outras sementes.
Andei com crianças órfãs e abracei idosos
Tudo isso no último dia de minha felicidade.
 
No último dia de minha feliz idade
Andei comprando coisas verdadeiras e doando aos amigos
Pessoas passaram por mim, algumas me abraçaram,
Outras, sequer delas, um sorriso levei.
 
Por que no último dia de minha felicidade a vida se escorre
As plantas de tão lindas em nossas almas morrem...
E a saudade arde como fogo, e o amor deixa frases de delírio na boca.
Tudo isso pelo último dia de felicidade que tive...
 
Um amor que me aporta e me dê um beijo de boa noite
Aquela voz que, não mentindo disse me amar, parecia uma peça.
Mas era apenas o último dia de minha vida feliz
Que meu amor sequer nasceu pra poder me abraçar e então...
 
Deixo meu último dia de felicidade nesse papel, nessa tela e nos seus olhos...
Pra quem sabe, na tua felicidade tu te lembres de que alguém poderia estar ali...
Onde seus sonhos e felicidades não lhe são suficientes, mas em mim,
Elas me fariam a razão de existir
 
Família, filhos, esposa, maridos, amigos e abraços ao redor da mesa.
E o último dia meu de felicidade estará contigo, quando sorrindo lembrar.
Esse meu insípido amigo bem que, poderia estar aqui.
 
Czar D’alma  -  Poeta e conservo.

“Ainda que não floresça, sou”

  
Ainda que não floresça, sou” – Czar D’alma.
 
 
 
Ainda que não floresça, sou” – Czar D’alma.
 
Era um sonho, um cadafalso de meu ser
Ou apenas, um delírio ao ousar-me.
Ser chamado por você.
 
Se tu me contemplas ouve a minha dor
Carrega comigo essa cruz e me ajuda
A suplantar o que dentro de mim
Ainda não passou...
 
Escuto a sua promessa e sei que
Ela ainda em mim não chegou
Pode ser que a figueira não floresça
Mas, em mim sei que é fiel o que jurou.
 
Eu sou de ti ainda que a dor grite não
Por ser a vida uma roda de esperanças
Eu amparado por tua voz, promessa e Palavra,
Tomado dessa graça e misericórdia vou e estou.
 
Eu sou de ti, Senhor! Deus de amor!
 
Czar D’alma “Ainda que não floresça, sou” –