Seguidores

2019/07/20

Limão – Czar D’alma.


   Limão – Czar D’alma.





Limão 


Você subiu as escadas...
Se despediu, tudo parou.
Meu coração ardeu,
Se envolveu no amor...




Quero calar a dor
Quero poder voltar a amar
Sem temer ou sangrar.




Pode ser que seja assim
Você ardendo em amor volte pra mim.
Nem sei o que dizer, puro coração
Como arde esse verde tal de limão.




Você subiu as escadas
Não olhou senão pros céus...
Minha vida em breu, me torno réu.




Um coração não poderia tanto arder
Mas que fazer do amor...
Quem não arrisca a sofrer.




Avisto a rua, as praças, tudo ao redor...
Parece que o sonho desafinou
Meu peito pleno dó menor.




Então, risco lágrimas
Abrigo as dádivas
Daquele grande amor.




Eu ainda vivo só
Sem ter você ao lado
Parece um limão azedo...
Açúcar e água pro corpo amordaçado.




Mas vem a noite
Quando tudo é dor.
Nas frases do destino
Deliro naquilo, quimera e amor.




Você subindo escadas quase céu
E o que faço dessa dor que cala
Essa saudade que grita...
Quando até as paredes me irrita.




Não encontramos outros amores
Ficou uma lembrança ardida
De tudo que restou.




Abro os braços espero
Que as escadas lhe façam voltar.
Enquanto nada acontece...
Deliro, me dispo e sonho 




a lhe beijar.



Limão – Czar D’alma

.

2019/07/12

Verbo, verso e outra luta – Czar D’alma.



Verbo, verso e outra luta – Czar D’alma. 




Verbo, verso e outra luta 




Vejo as coisas que passam, quero passar
Andar nas ruas saber...
Conjuga o verbo amar.




Venero a força da velha juventude
Aprecio o vicio que tenho pela solicitude
Quero de tudo em mim degustar.




Se eu tenho tempo não me desespero
Passo pelas ruas e onde eu me entrego
Nas urnas e nas lutas quase cego
Quem será que pode me encontrar.




Daquilo que vivemos
A saudade eu tenho
Daquilo que perdemos
Quase nunca mais seremos.




Somos mais que uma palavra
Somos dicionário, verso e luta
Quando acordo no domingo
Missa, praia ou vida dissoluta.




Que o tempo entenda a minha loucura
Por que amei e provei da própria cicuta
Hoje eu quero abraços, ninguém me escuta.




Amanhã será melhor
É bem melhor pensar assim...
E as crianças de hoje na minha velhice
Quando serão que vão lembrar de mim.




Verbo, verso e outra luta
As mulheres vão na frente
Preciso apreciar as loucas curvas...




Mesmo assim o tempo pára
Pra quem não entende o próprio foco
Quem tudo percebe, se percebe...
Quase fora da própria foto.




Mas é hora de dormir...
A gente olha pro lado e pensa sim.
Dos amores que eu tive quais foram
E quais serão os que pensaram que haveriam um fim.




Então me beija e vá dormir
Pode ser que o melhor da vida
Seja a luta que o destino 




quis assim.



Verbo, verso e outra luta – Czar D’alma.

.

2019/07/06

Amor – Czar D’alma.


Amor.  (Czar D’alma).




Amor .

Eu vou beijar tuas cicatrizes
Deitar em sono tuas feridas
Abraçar-te em tempos de despedidas
Amar-te por ser a alma amiga.




Eu vou abraçar cada teu medo
E contigo juntos vamos vencê-los...
Por que em tudo há tempo
Mas nem tudo haverá a vida.




Vou fazer amor com seus tremores
E deportá-los aos países outros...
E quando eu me sentir fraco
Tua língua minha reza, banzo e regaço.




Não que eu tenha toda a força
Mas contigo somos mais.
E conosco seremos compassos eternos
Pelos vinhos que tornamos e sonhos perecemos.




Eu vou abortar cada desafino
Que tua canção jamais irá cantar
Pra que tu tenhas vida
E eu a quem amar.




Te amo.
Nas forças dos meus medos
Mas na coragem de viver-te
Sem jamais reconhecê-los.




Rasgando minhas pulsões
De vida, morte e segredos...
Onde eu sou um conto
E tu és todo o 




meu enredo.



Amor – Czar D’alma

.

2019/07/03

Sem Palavras – Czar D’alma.



Sem Palavras – Czar D’alma. 




Sem Palavras 


Rompi com as palavras
Deixei o seu sorriso
Percorrer meus desejos...




Me vesti de felicidade pelo dia
Que pude lhe encontrar em mim.




Os desejos são dos afetos claros
Obscuro é teu medo da junção
Que pode encontrar em nossas mãos.




Do corpo teu fiz um poema
Para suportar a dor de não lhe ter...
Fiz das frases dos nossos enlaces
A razão da loucura de não me perder.




Rompi com os versos longos
Quero a distância menor dos lábios teus
Pra poder dizer dos porquês
Me deslizo, na flagrância de amar, pra ti ser.




Rompi com as palavras...
Para os corpos não mais calarem
O delírio das flores abertas nas manhãs
E no degustar de tua maçã.




Eu sou o riso que não precisas
Mas que aprecias ter...
Se isso não lhe basta  que eu seja
A tua vontade frente a vida e bandejas.




Rompendo com as palavras
Deixamos todo o corpo dizer...
Aquilo que a boca cala,
Mas não cessa de se oferecer.




Amar-te...




Sem Palavras – Czar D’alma.



2019/06/12

Das Flores – Czar D’alma.



Das Flores  –  Czar D’alma.




Das Flores  –  Czar D’alma.

Hoje vim entregar as flores
Em jarros de pedras que feridas que a mim fez




Hoje eu vim doar o tempo
Do tempo que nem sei se terei
Hoje é um dia singular
Como todos os dias que desperdicei




Hoje eu vim doar as flores
Em meio as pedradas que levei




Pode ser que estas flores não tenham
As cores e o formato que desejas
Mas sempre elas terão de mim
Assertiva impressão do sentimento que acalentas.




Hoje é dia de doar as flores
Por que até dos monturos
As flores sempre nascem e despertam
A poesia que jamais escrita alguma acerta.




E se as flores não lhe bastarem
Que recebas o meu calor...




Quando tudo for silêncio
Saiba que estarei do teu lado 




frente a dor


Das Flores  –  Czar D’alma.