Seguidores

2012/04/07

Destinos Descruzados

            "Destinos Descruzados"





                        




Quando a vida precisava sorrir
Tu me eras a paz...
Quando o som da esperança era a rua
Tu me eras as calçadas.


Por que todos precisam de pés
Pra expor em sua própria caminhada.
Eu ando com tudo na mente
Mas tu me és a minha maior morada.


Assim foi a minha vida
Mas saindo me levaste os sonhos
Pois acordado hoje
Já não sou mais nada.





Czar D’alma  –  Destinos Descruzados


2012/04/02

Permita

        "Permita"  





            





Deixa a minha alma cantar
Deixa a minha sorte chegar
Deixa o sorrir me embriagar
Deixa o sol me molhar de tanto amar.


Enfim, que o dia seja bom
E que a vida seja o amar...


Das provisões dos céus
Das revelações do amor
Que seja a alma cheia de mar
E o coração de amigos a abraçar.


Quando a solidão se foi
Era você quem entrava
Nas desolações de palavras soltas
E dos quentes corações...


E nunca em frias roupas.






Czar D’alma  -   PERMITA.


Não mais o fel

            "Não mais o fel"  






                      





Quando a delícia estava no prato
Eu abordava e bordava o teu sonhar...
Querendo em minha vida e com felicidade
A minha ceia à mesa, sorrir e pra alma, cantar.


Com delírios nos olhos...
Colírios da força dos lírios
Quando a solidão era um fato, um ato
E o meu coração num frio e largo vazio.


Eu contei as estrelas e sonhei com meus céus
Onde a felicidade enfim em abraçava
E eu retinha nos olhos
O sabor do mel.


Por causa de um toque seu
E não mais, por causa da vida...



O fel.





Czar D’alma


Obs: Obrigado à todos visitantes, amigos, incentivadores desta obra e espaço que, 

neste tempo equidistante, dispus de algum tempo pra estar ausente, porém, com o coração cheio

de saudades de cada um aqui! Muito Obrigado!

Beijos N'alma & Carpe diem!

Sem mais,

Czar D'alma.