Seguidores

2019/12/06

Tulipas - Czar D'alma


Tulipas - Czar D'alma.




Tulipas 

É quando o sol rasga o negro céu
Com a luz cônscia sem nenhuma razão...
Que aquela criança em mim, despida
Envolve-se em tempo e medida a colisão.




Aí, então,  ressurgem sonhos tão lindos
E outros que por tudo isso, jamais serão.




É quando o dia rasga a noite que me acolheu
Dos dias em que, os meninos eram tantos
Mas em todos eles, apenas havia o Eu.




E eu descubro as vozes, apanho flores e tulipas
Que ternamente me adormecerão.




Entendia tudo até o tudo me dizer que não
Sorria sempre e sempre, esperava definição.
Não amava os fortes... nem abraçava os que lutam
Em prol de que haja menos sangue no chão.




Então, os dias e as noites se uniram a mim...
As vezes, doía a saudade da criança habitada aqui.




Olho ainda cada olhar dos que tem vontade de chorar
Percebo que a vida ainda espera que possamos amar.
Entendo que o medo não seria necessário...
Se usássemos o que o medo nos tenta ensinar.




Acordo e ainda rasgam-se noites
Bebo nas tulipas dos meus amores
Escrevo na areia aos meus inimigos
Todas as vossas sentenças, cicatrizes e dores.




Então, acordo e a criança se foi...
Ao meu redor tudo que nunca quis
O adulto que se veste de mim
No amor que quase tive por um triz.




Feliz por um segundo, eternamente querendo
O que não sou e o que bebem os pássaros...
Das tulipas que choram, dos versos que chovem e das mãos
Que se embriagam de ternura e de compaixão.




Os dias passaram, mas jamais passou
O infinito desejo de lhe ver passar...
Mesmo diante do vidro o lunático
Sabe discernir o espelho do mar.




E quando o corpo ao pó retornar...
Serão pelas tulipas que suas almas vão rebrilhar.




Assim como as crianças brindam com tulipas
E os pássaros as beijam pela eternidade
Num desejo eterno de voar.




A arte sutil uma maneira forma tenra, doce e suave.
De sorrir quando a dor é maior que a alma...
E sempre menor dos que escolhem e preferem amar.




Assim o dia passou e a noite chegou
E por toda noite, a noite sorriu e voltou 





A brilhar.




TULIPAS – Czar D’alma.
.

Nenhum comentário: