Seguidores

2020/07/18

Comichão da Verdade – Czar D’alma.


Comichão da VerdadeCzar D’alma. 




Comichão da Verdade. 



Recebeste a rosa verde e amarela
Ganhaste o mundo sem adorno
Rasgando vida sequestro e sufoco.




Nos dias que andas agora
Te vestes de brim e euforia
Não tem verdade na sua meiga ira.




Eu que nem era nascido
Vi as marcas vermelhas pelas ruas
Alguns ainda eram meninos
E suas irmãs mortas apareciam nuas.




Pode ser que eu nada entenda
Na comissão da verdade a mentira é tua
Quando ainda se esperam as pétalas
Caídas e deixadas em praças cruas.




Ainda nada valem as fotografias
Em cadernos azul e branco
Pois não emprestam carimbos
Tomados pelos donos do assento e do banco.




Alguma coisa há de acontecer
Na memória inocente e frágil
De quem não conhece as tuas flores
Sangrentas deixadas pela farda ágil.




A mocidade não quer outra luta ou coisa
Deseja apenas um mundo doce, frio e virtual
Onde a caneta dança e delira às mãos do marginal




Vi na TV e não tiveram nada a dizer
Ouvi o verso embaixo dos caracóis
E não ouço o grito dos meus heróis.




Então a vida é passageira
Mas tu permaneces eternamente
Onde é míope a pátria em próprio incêndio
Dorme e sonha em




 Berço esplêndido.




Czar D’alma – Comichão da Verdade.

.

Um comentário:

  1. Repressão!!,Quem de nós?
    O poeta vê,onde ninhem consegue ver..
    O Poeta vê a Alma..
    Maravilhoso poema 👏👏
    Como sempre nobre poeta..
    Sinto- me previlegiada em ter esse espaço.gratidao sempre 🌷💞

    ResponderExcluir

Sinta-se livre para comentar! Muito Obrigado pela gentileza!

Carpe diem!